segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Smart TV Philips série 6500 47 polegadas - leve, brilhante e econômica

TV não é algo que eu texto habitualmente. Porém por conta da convergência tecnológica as TVs se transformaram em SmartTVs e por isso incorporaram tanta tecnologia que as fez se transformarem em computadores especializados para entretenimento.  Sendo assim recebi em minha casa por 4 ou 5 semanas a SmartTV Philips da série 6500 de 47 polegadas modelo 47PFG6519/78 e pude desfrutar deste modelo, suas funcionalidades e seus recursos.


figura 01 – SmartTV série 6500 47 polegadas (clique para ampliar)


Visão Geral

De imediato a primeira imensa diferença é o peso desta TV. A TV que possuo é fabricada por um dos grandes fabricantes coreanos, tem 42 polegadas, mas é fabricada há 3 anos e meio ou 4 anos pelo menos. Apesar de maior a Philips é muito mais leve e mais fácil de ser carregada. Precisei de ajuda para guardar e minha própria TV enquanto a Philips de 47 polegadas foi facilmente manipulada e instalada por mim. Apenas 8 parafusos (4 da base e 4 do suporte) são necessários para montar a TV.

A TV é toda branca, bordas bem finas e tem uma base de alumínio de visual simples que torna todo o conjunto elegante. A borda fina faz tanta diferença que o local no qual ficava a minha TV de 42 polegadas recebeu a Philips de 47 com pequena diferença nas laterais, tal a importância que faz este design que privilegia a tela com bordas quase inexistentes.


figura 02 – SmartTV série 6500 47 polegadas (clique para ampliar)

A instalação foi muito simples porque me bastou conectar 3 cabos HDMI (fora o fio de energia, é claro) e tudo de que precisava estava pronto para funcionar (NET HD MAX, PlayStation 3 e WD Midia Center). Por ser neófito em testes de TV fiquei na dúvida de como proceder. Optei pelo caminho natural, ou seja, usá-la no dia a dia como se fosse minha e naturalmente cada recurso foi entrando em ação. A saber a TV tem mais 2 conectores AV RCA para dispositivos que usem este tipo de conexão. Completa a conectividade com 2 entradas USB para reproduzir música, filmes e fotos, interface para cabo ótico (som), a entrada de antena UHF para TV digital e conector de fone de ouvido.


figura 03 – Conectores principais e alto-falante (clique para ampliar)


figura 04 – conexões laterais (clique para ampliar)


Eu já tinha visto demonstrações do recurso AMBILIGHT, exclusivo das TVs Philips, mas agora pude sentir em meu próprio ambiente. Para quem não sabe (como eu até meses atrás) trata-se de um sistema de luzes na parte traseira da TV que projeta para trás (na parede) luzes coloridas que combinam com as cores das extremidades das cenas sendo mostradas naquele instante. Em uma sala parcialmente escura o efeito é de extensão da tela para fora de seus limites. É muito agradável. Esta TV testada tem uma das versões do Ambilight, nem é o mais completo. Contém nas laterais um conjunto de leds (que mudam de cor) apropriadamente. Há um modelo de Ambilight mais sofisticado que além de ter mais leds nas laterais, tem também na parte superior. Mas mesmo no modelo testado que tem a versão menos avançada do recurso a sensação de imersão é bastante agradável e interessante.


figura 05 – ilustração do efeito do Ambilight (clique para ampliar)

O único comentário a fazer sobre o Ambilight é que em algumas situações cuja cor das bordas da imagem tende para o marrom, os leds ficam verdes e destoam da cenas. Essa cor (marrom) parece ser problema para esta versão dos leds reproduzirem e por isso mostra o verde em seu lugar. Mas isso só me chamou a atenção porque estou avaliando a TV. É improvável que um usuário comum perceba, mas... minha obrigação é registrar.

Cabe comentar a qualidade da imagem. O brilho, contraste e nitidez da imagem é algo que me impressionou sobremaneira! Imagens vivas, claras e muito reais. Alguns atributos técnicos dessa TV são importantes:  
  • PMR (Perfect Motion Rate): imagem é exibida 480 vezes por segundo o que se traduz em percepção de cenas de ação muito realistas, fluidas e sem “saltos”.
  • Resolução da Imagem: FullHD (1920x 1080 pixels) com Pixel Precise HD
  • Brilho de 300 cd/m2

Mas de que adiantam especificações siglas, números se o que importa é a percepção do usuário. E no aspecto subjetivo eu gostei bastante da imagem dessa TV.

Sobre o 3D

O consumo de conteúdo 3D ainda não teve o desenvolvimento que se esperava. Mas há alguns filmes, por exemplo, no NET NOW, títulos em BluRay e mesmo jogos de consoles como PlayStation que se valem deste ótimo recurso. Esta TV usa o sistema passivo, ou seja, os óculos que devem ser usados para percepção do efeito não usam energia própria, não precisam ser recarregados e por isso tudo são mais baratos. A TV veio com 4 óculos, número bastante apropriado para uma família média desfrutar do conteúdo 3D.

A primeira tentativa que fiz foi de imediato a mais “ousada”. A TV tem um recurso de conversão 2D para 3D, ou seja, filmes, programas, eventos esportivos que não foram transmitidos em 3D são “transformados” para reproduzir o efeito. Minha expectativa era alta e fui positivamente surpreendido. É incrivelmente competente a tal conversão artificial! Qualquer coisa passa a ser 3D. Há apenas dois comentários. Eventualmente a conversão comete algum erro, como por exemplo um logotipo bordado no boné de um esportista que “salta à frente” e fica flutuando na frente do boné. É raro, mas acontece. Ou mesmo uma cena onde existe um quadro na parede e a paisagem do quadro (que na vida real é bidimensional) também fica em 3D. Também convém destacar que os óculos por serem semiescuros tiram um pouco do brilho, mas sem comprometer.


figura 06 – configuração dos efeitos 3D (simulado e real)


figura 07 – óculos 3D (clique para ampliar)

O segundo teste foi em “3D real”, ou seja, aluguei no NET NOW títulos originais em 3D. Isso me obrigou a configurar o tipo de 3D nas opções da TV. De fato o efeito 3D é superior ao 3D simulado que a TV faz, principalmente mais preciso, sem aqueles eventuais objetos fora de contexto. A experiência é bastante parecida com o 3D que temos no cinema! Muito agradável e envolvente. Possivelmente um Bluray FullHD 3D seja ainda mais impressionante. A TV está pronta para isso. Cabe agora aos produtores de conteúdo disponibilizarem mais amiúde títulos para que se desfrute dessa ótima experiência nas residências.

O terceiro cenário foi usando o PlayStation 3. Com 3D simulado, 3D real (jogos com suporte a 3D) e “dual player”. As mesmas observações que fiz relativas a assistir filmes em 3 dimensões (simulado ou real) se aplicam aos jogos. O que existe a mais é o “modo de jogo de 2 jogadores”. Há jogos que duas pessoas podem se enfrentar e para isso a tela é dividida, metade para cada um. Neste modo “dual”, cada jogador usa seus óculos 3D, não para ter tridimensionalidade e sim para “filtrar” a sua própria tela e assim poder usar a tela toda (e não metade). Cada jogador desfruta de seu jogo na TV inteira e não em meia tela. Meus parceiros de testes, meus filhos adolescentes de 13 e 16 anos gostaram muito da possibilidade.


O lado Smart TV

Há conexão ethernet (cabo) e WiFi para conectar a TV à rede e à Internet. Logo após a configuração inicial apareceu o alerta de que havia atualização do software a fazer. Não deu certo nas duas primeiras tentativas, mas em seguida funcionou e agora a TV notifica que está 100% atualizada.

Acesso à rede tem várias outras funcionalidades além de sua própria atualização. Na minha casa eu tenho servidor de mídia onde gravo meus filmes favoritos. Pela rede pude ter acesso às pastas e usar os meus próprios títulos. Além disso há serviços diversos como NETFLIX, Youtube, Band TV, Spotfy,... bem como acesso às mídias sociais como Facebook, Twitter e até Skype para comunicação (câmera opcional pode ser comprada para incrementar esta funcionalidade).


figura 08 – acesso às funções da SmartTV (clique para ampliar)

Nessa modalidade há também recurso para navegação na Internet. Como eu disse no começo do texto, esta TV é um computador de entretenimento. Adicionalmente pode ser instalado no smartphone (iOS ou Android) um aplicativo muito esperto que muito facilmente descobre na rede WiFi a TV e passa a funcionar como um controle remoto adicional. O usuário pode escolher se quer usar o controle que acompanha a TV ou seu próprio smartphone. Muito prático.

Tem também sintonizador de TV digital, que testei brevemente com uma antena interna UHF, que funcionou muito bem.

Sugestões de melhoria

Trata-se de um produto de alto nível e qualidade. Por isso mesmo merece comentários sobre três pontos de possíveis melhorias:

  • SOM: há um alto-falante de aspecto diferente na parte traseira da TV que é bastante competente para reproduzir o som, ainda mais considerando a espessura da TV. Já vi TVs não tão finas com o som muito ruim. Porém há espaço para melhoria. Pelas características do autofalante às vezes a reprodução da música de fundo fica muito alta e os diálogos muito baixos. O suporte me orientou a ligar ou desligar um recurso chamado “auto-nível”, mas não teve efeito. Um consumidor mais exigente com certeza vai preferir usar um “Sound Bar” ou conectar a TV a um Home Theater.
  • CONTROLE REMOTO: quando a TV é ligada, muito rapidamente ela entra em ação e exibe o programa da TV a cabo, etc. Porém demora cerca de 15 a 20 segundos para que o controle remoto seja obedecido, seja para alterar o volume, seja para mudar a fonte da imagem (de HDMI1 para HDMI 2 por exemplo).
  • TECLADOS VIRTUAIS: em diferentes pontos dos menus da TV há necessidade de digitação e para isso um teclado virtual. Alguns estão no formato “abcdefghijk...” e outros como teclados físicos “qwertyuiop...”. Isso causa certa confusão, pois ora tem que usar de um jeito e ora de outro jeito. Padronização ajudaria muito.

Consumo de energia

Este tópico é de grande importância para mim. Seja pela consciência ecológica, seja pelo impacto no bolso de quem paga a conta de luz no final do mês. Na tampa traseira da TV há uma placa com diversas especificações e dentre elas está ali mencionado o consumo de 102 Watts. Não satisfeito com isso eu liguei a TV em um medidor que tenho chamado Kill-a-Watt e efetuei minhas próprias medidas. Obtive valores de consumo que oscilaram entre 82 e 86 Watts. Nunca mais do que isso. Possivelmente o valor 102 Watts deve ser um consumo em pico de demanda. Achei fantástico ter comprovado este valor, pois este nível de demanda de energia é pouco mais que uma lâmpada incandescente média (75W).

O consumo medido de 86 Watts torna-se ainda mais espetacular quando eu o comparo com o que obtenho na minha TV atual (de certa marca coreana de quase 4 anos). Minha TV atual tem o consumo muito dependente do regime de brilho usado. Para o leitor ter uma ideia, com a tela em seu mais fraco brilho ela consome 165 Watts e em seu brilho máximo passa dos 500 Watts!!! Eu não fiz a conta, mas possivelmente se a TV ficasse ligada entre 6 e 8 horas por dia após vários meses a economia de energia seria capaz de cobrir boa parte de seu custo.

Claro que os fabricantes de TV, sejam os japoneses, holandeses, chineses, americanos ou coreanos evoluíram seus produtos e hoje, em 2014, têm produtos mais avançados e econômicos. A começar pela tecnologia do painel. LED é muito mais econômico que o LCD que era usado frequentemente no passado. Fica este lembrete e dica para quem como eu tem TV de 3 anos ou mais antiga. Quem sabe seja a hora de considerar uma troca. A minha, por exemplo, não é SmartTV e usa LCD que gasta muita energia. Se eu trocá-la resolvo dois problemas de uma vez só. 

Conclusão

Apesar de ter permanecido com a TV por algumas semanas eu tenho certeza de que não consegui explorar 100% de seus recursos. Por exemplo, fiz uma rápida tentativa para usar a capacidade de gravação de programas na TV, mas como na hora não deu certo (faltava um HD ligado à TV), deixei para depois e não retornei a este ponto. E como esse deve ter vários outros pontos que pelo volume de talentos da TV acabei negligenciando.

Porém ao usá-la como minha própria TV por várias semanas pude perceber a grande vantagem de seu ótimo tamanho, diminuto peso, a sensação de imersão proporcionada pelo Ambilight, a conectividade que me permite usar a Internet e consumir conteúdo da rede, as ótimas visualizações 3D (sejam reais ou simuladas), o uso em jogos... E o baixo consumo de energia é um ponto bastante importante.

Por fim a TV é bonita e sua cor branca com pedestal em alumínio a transforma em uma peça decorativa e mais discreta que TVs “black-piano”. A cor branca exige cuidado e manutenção pois o pó se acumula e a deixa suja, nada que um pano úmido semanalmente não resolva. Como eu mesmo citei há espaço para alguns pequenos aperfeiçoamentos, como todo produto tem. Mas uma TV como essa com toda certeza teria lugar na minha sala em casa substituindo a TV de 3 ou 4 anos, de outra nacionalidade, que ali se encontra. Quem está em busca de uma SmartTV de 42, 47 ou 55 polegadas recomendo que considere este modelo da Philips em sua busca no mercado.

· 

7 comentários:

  1. flavio, obrigado, achei uma por 1900, e vou comprar achei um otimo negocio.

    ResponderExcluir
  2. fiquei com um pe atrás por conta da lentidão.

    ResponderExcluir
  3. Não atualize essa TV, se você fizer, o NETFLIX para de funcionar. Experiencia própria.

    ResponderExcluir
  4. parabéns pelo review, me ajudou muito, valeu!

    ResponderExcluir
  5. A tv em si é bacana, entretanto menus extremamente lentos.
    Você insere um comando no controle e ela vem responder após uns 20 segundos.
    Pra quem gosta de mexer na tv, isso prejudica bastante, em alguns momentos dá raiva kkkkk.
    Eu não recomendo a tv, após atualizar o firmware piorou a situação pois, antes teria que conviver com a extrema lentidão dos menus e agora tenho que conviver com a lentidão dos menus e também sem o funcionamento do NETFLIX como informou nosso amigo Marlon Augusto em 22/12/2014.
    Se soubesse desses problemas teria comprado uma LG 47LB6100 ou 47LB5800 que estão com os preços semelhantes a essa philips.

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigada pessoal pelas informações!
    Agora eu acho que TV é uma coisa e computador é outra, quem quiser um computador não compra uma TV!

    ResponderExcluir