quarta-feira, 18 de maio de 2016

Sequestro de dados (Ransomware) é real, previna-se!!

Há algum tempo, poucos anos, eu comecei a escutar histórias de sequestros de dados e de arquivos. Isso tudo me parecia muito distante, história de ficção, sabe? Mas vocês não imaginam como isso está próximo de nós. Vou contar brevemente dois casos que presenciei sobre isso e na sequência transcrevo um artigo muito interessante sobre o assunto escrito por Fernando Cardoso, arquiteto de soluções da empresa de segurança Trend Micro.


Caso 1: cheguei tarde!!

Visitando uma empresa vi que seu servidor se encontrava com todas as pastas aparentemente intactas. Os arquivos pareciam estar normais, mas o conteúdo de cada uma delas irremediavelmente codificado. Uma mensagem na pasta (arquivo texto) continha instruções para obter a chave de abertura dos arquivos (pagar algo como US$ 5000). Backup existe para isso, certo? Não neste caso. A empresa fazia backup com HD externo, que ficava permanentemente conectado ao servidor, que também fora completamente encriptado. A dona da empresa se recusou a negociar com a bandidagem virtual. Eles recuperaram uma razoável parte das informações em cópias nas estações locais e outra parte em anexos de e-mails. Claro que a partir deste funesto incidente toda a segurança da empresa foi revista, servidor oportunamente trocado, novas rotinas de backup etc.

Caso 2: assistindo o ataque ao vivo e a cores!!

Tentando ser breve, a história é longa. Algumas pessoas em outra empresa começaram a sentir falta de arquivos muito usados em pastas bem importantes. Os nomes esperados tinham sido trocados por outros do tipo 1A33B4CF5D670CD26.LOCK (um longa cadeia de caracteres hexadecimais sucedidos por LOCK=trancado). Fora criado um arquivo texto com o pedido de resgate, também US$ 5000, será que o preço é tabelado? Eu estava lá e pude observar ao vivo alguns arquivos desaparecendo e sendo LOCKados, bem ali, na minha frente!!! O ataque estava em progresso naquele momento. Desligamos todas as conexões de Internet e mesmo assim continuava o ataque. Possivelmente um programa malicioso que fora recém instalado em algum lugar estava fazendo isso.


Com muita calma observei todas as evidências possíveis e acabei por perceber que todos os arquivos recém bloqueados tiveram seu “proprietário” alterado para “Maria Aparecida” (nome fictício). Imediatamente esta máquina foi retirada da rede, quase que teve seu cabo Ethernet cortado com um facão. O ataque parou!! Dos quase 900 mil arquivos da rede, quase 29 mil já tinham sido sequestrados!! O usuário do referido computador tinha uma hora antes instalado uma atualização de software do Banco XYZ, por causa do alerta que veio por e-mail. Phishing malicioso, obviamente!

A tal máquina, foi reformatada e assim o mau cortado pela raiz (já estava para ser reinstalada mesmo). Como a empresa tinha uma rotina sólida de backup, apagamos todos os arquivos encriptados e foi o restaurado o backup feito naquela madrugada (horas atrás). Foi rápido porque apenas os arquivos que faltavam foram trazidos de volta (aqueles 29 mil).

Muitas lições aprendidas. Backup robusto em primeiro lugar, orientar usuários a não sair instalando nada sem consulta, ainda mais solicitado por e-mail ou até mesmo proibir usuários de instalar programas. E por fim ter uma abordagem muito focada e calma na hora da crise para ser capaz de lidar com ela, procurando evidências que auxiliem a resolver o problema. UFA!! E o antivírus? Ainda não tinha a vacina para esta ameaça particular. Acontece, pode ter sido o chamado “zero-day attack”.

Rescaldo dos incêndios

Estes dois breves casos ilustram como este tipo de incidente é REAL e está muito perto de nós! Diversas empresas de segurança já estavam avisando que 2015 e 2016 seriam os anos do RANSOMWARE, estes sequestros de dados.

Tive a ideia de escrever este breve preâmbulo (acabou ficando mais longo do que imaginava) para apresentar o ótimo texto do Fernando Cardoso da Trend Micro que detalha um pouco mais isso tudo e apresenta ideias para elevar a segurança de sua empresa ou de sua casa.

Aproveite o texto abaixo.







Como as empresas podem elevar a segurança contra novas ameaças e Ransomware?

*Por Fernando Cardoso

O cibercrime vem crescendo e se profissionalizando assim como a grande quantidade de casos com Ransomware e táticas de engenharia social que afetam milhares de pessoas e empresas pelo mundo inteiro. O que torna o cenário mais crítico como mostrado na figura abaixo, são os diferentes tipos de ataques orquestrados pelos crackers, muitos deles utilizando táticas de engenharia social.


Fonte: Hackmageddon


Desse modo, é exigido das empresas que repensem rapidamente novas soluções e arquiteturas de segurança para que consigam antecipar ameaças e ataques.

Diversas empresas já investiram milhares de reais com soluções de segurança para a proteção de suas informações, considerados seu bem de maior valor. No entanto, ainda se vê necessário aumentar o nível de inteligência, detecção e automação, com tecnologias como sensores de redes que reconhecem ataques avançados e sistemas de Sandbox.

Sendo assim, que tipo de arquitetura ou soluções poderiam ajudar a conter os perigos iminentes?

Nesse artigo, analisamos três arquiteturas que apesar de não serem uma resolução definitiva, elevam consideravelmente a segurança de informação de muitas empresas.

1. Profunda análise dos arquivos que trafegam na rede interna
Sistemas de Sandbox podem ajudar muito na descoberta de malware e ransomware, pois possuem capacidade de realizar uma análise detalhada sobre os arquivos que são testados.
Por meio de Sandbox, podem ser coletadas as seguintes informações:
  • URL
  • Domain
  • IP
  • File Hash


Essas informações são capturadas dos arquivos tidos como suspeitos, por terem comportamentos maliciosos.

Se integradas com os sistemas de segurança das empresas, pode-se criar uma assinatura customizada e uma resposta automatizada a incidentes de segurança.
Abaixo exemplo do funcionamento desse tipo de solução:


    
2. Proteção contra Spear Phishing e ataques direcionados por E-mail
Uma pesquisa realizada pela Trend Micro mostra que 74% das tentativas de ataques direcionados usaram o e-mail como um vetor de ataque*.

Sistemas de Sandbox podem também validar informações de um e-mail como arquivos anexados, link no corpo do e-mail ou dentro de arquivo, além de tentarem abrir arquivos com senha que estejam anexados. Essas funcionalidades podem elevar o nível de proteção consideravelmente sobre os e-mails corporativos, como exemplificado na imagem abaixo:




3. Ampla visibilidade sobre o tráfego de rede e Sistemas de Sandbox integrados
Possuir sensores na rede permite criar uma ampla visibilidade de protocolos como HTTP, TCP, FTP, DNS e diversos outros que trafegam em nossas redes diariamente, além de obter uma análise ainda mais profunda dos arquivos que estão trafegando em nossas redes corporativas.

De maneira resumida, imaginem que o sensor capturou um novo arquivo suspeito e o envia ao sistema de Sandbox, que avalia se o documento é malicioso ou não, gerando um relatório informando o nível de risco do arquivo para o ambiente corporativo.

Baseado nestas informações, esses dados podem ser compartilhados com os antimalware instalados nos notebooks e desktops, e automaticamente é criada uma assinatura customizada para bloquear ou quarentenar os arquivos em seu ambiente a fim de não permitir futuras infecções e identificar as máquinas afetadas pelo novo malware.  Além da integração com o antimalware é possível criar integrações com gateways de E-mail e Web, Firewalls e IPS de rede.

Funcionaria da seguinte forma:
  


As empresas que se mantém atualizadas e se apropriam das novidades no mercado de segurança estão um passo à frente da proteção contra ameaças iminentes.

As três dicas citadas acima e a inserção dos valores de consciência nos colaboradores das empresas, podem auxiliar muito no crescimento do nível de segurança do meio corporativo.

Com diversos malwares sendo criados todos os dias, a consciência e treinamento das empresas e colaboradores é crucial para um ambiente digital seguro.


*Crackers: Pessoas com um profundo conhecimento técnico e que utilizam desse conhecimento para invadir sistemas e realizar roubos e ataques em à pessoas e empresas no mundo inteiro.

Fernando Cardoso é arquiteto de soluções da Trend Micro




Um comentário:

  1. Oi Flavio, aconteceu com um cliente meu a semana passada, os arquivos de dados conhecidos, inclusive o .mdb foram codificados, no diretório ficou um txt ensinando como pagar e receber uma chave para descriptografar os arquivos, como o BKP era remoto, maquina formatada e tudo restaurado, mas a ameaça é real.

    ResponderExcluir