domingo, 30 de junho de 2019

PAPOFÁCIL #359 SAS Forum - modelos de análise mitigam fraudes contra seguradoras

Ricardo Saponara, Especialista Prevenção contra Fraude Latam, conta sobre as diversas formas que são concebidas fraudes contra seguradoras, desde aquelas que lidam com saúde, seguro de vida , residência automóveis e como as ferramentas de análises da solução do SAS tem a capacidade de correlacionar todos os dados e apontar irregularidades, não conformidades e como isso pode resultar em preços diferentes (menores) para quem mitiga essas situações de fraude.

Gravado dia 05/06/2019 no SAS Fórum  

PAPOFÁCIL #359 SAS Forum - modelos de análise mitigam fraudes contra seguradoras







SAS divulga pesquisa inédita sobre as mais avançadas tecnologias empregadas na prevenção a fraudes em seguros

O estudo, realizado com as principais seguradoras do país, aborda as ações utilizadas no combate às fraudes, abusos e desperdícios na área

O SAS, líder em Analytics, realizou pesquisa inédita com as principais seguradoras do país, para apurar quais são as práticas mais comuns de fraudes, abusos e desperdícios a que são submetidas essas empresas. O estudo teve por objetivo avaliar, também, o atual uso das diversas estratégias e tecnologias empregadas que visam àprevenção de irregularidades cometidas contra essas empresas.

Foram estudadas 17 companhias brasileiras de seguros, com foco no mercado automotivo, durante o primeiro semestre de 2015. Constatou-se que os programas de prevenção a fraudes têm evoluído com o passar do tempo, tornando-se cada vez mais sofisticados, eficazes em detectar, investigar e prevenir as irregularidades.

Os times de Investigação Especial têm se tornado cada vez mais importantes no processo para garantir o correto pagamento de sinistro, juntamente com o impacto no lucro. A tecnologia tem tido um papel crucial em capacitar esse crescimento, detectando mais casos de fraude e agilizando o processo de liquidação e investigação, o que proporcionaàs seguradoras uma maior confiança em seus programas antifraude.

Por sua vez, as seguradoras, cada vez mais estão entendendo a importância de se investir em tecnologia que lhes traga um resultado financeiro positivo nos processos. Essa tendência se motiva as empresas de tecnologia a também fazerem investimentos para sempre oferecerem inovações aos processos e garantirem o melhor resultado possível para seus clientes.

As fraudes, abusos e desperdícios são grandes problemas para a indústria de Seguros no Brasil, impactando os resultados das companhias e, também, para os clientes, que observam cada vez mais um aumento dos prêmios. Pesquisas internacionais apontam que por volta de 11% a 15% das indenizações pagas tenham algum tipo de irregularidade.

No Brasil, a Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), por meio do seu Sistema de Quantificação de Fraudes (SQF) aponta que, em 2013, por volta de R$ 2,1 bilhões das indenizações tiveram algum tipo de suspeita de irregularidade, o que representa 9% do total dos sinistros.

Na contramão do SQF, que mostra um decréscimo na atividade fraudulenta, a pesquisa do SAS constata um sentimento de crescimento na atividade, 59% responderam que as suspeitas aumentaram. Infelizmente, essa tendência não apresenta sinais de queda. A grande motivação de qualquer fraudador, do oportunista ao criminoso, é a recomposição de renda e/ou ganho financeiro adicional e, em épocas de crise, esse tipo de atividade se intensifica.

As atuais técnicas e estratégias utilizadas na identificação de irregularidades vão das mais simples (100% reativas – confiando apenas no sentimento individual do analista de sinistro) às mais sofisticadas (utilizando modelos de “Machine Learning” e “Analytics”). Essas técnicas influenciam diretamente nos dados apresentados, pois uma empresa que aponta menos casos de irregularidades provavelmente é a que está mais vulnerável em seus processos de prevenção às irregularidades.

Descobertas da pesquisa SAS:
  • 59% das empresas possuem alguma tecnologia de prevenção a irregularidades no sinistro, porém menos da metade está utilizando tecnologias no processo de aceitação;
  • 71% das empresas utilizam seus sistemas atuais há mais de cinco anos, porém são sistemas baseados em regras.
  • 100% das empresas ainda confiam no sentimento do analista de sinistro para referenciar um caso para sindicância;
  • O principal benefício percebido em se ter um sistema de prevenção a irregularidades é não incomodar os clientes honestos;
  • O principal desafio em implantar um sistema mais moderno está na falta de recursos (Financeiros ou de TI).
Fraudes e irregularidades são passíveis de ocorrerem ao longo de todo o ciclo de vida do seguro: na cotação, na vistoria, nas alterações da apólice (endossos), na comunicação do sinistro, em relação aos envolvidos, nos orçamentos, nos pagamentos, entre outras. As seguradoras também estão buscando se proteger de perdas relacionadas à “Lavagem de Dinheiro” (por demanda regulatória), Fraude Interna e Crimes Cibernéticos.

As seguradoras estão cada vez mais preocupadas em “escolher” corretamente o cliente em seu processo de subscrição (41% das respostas), buscando assim evitar a fraude. Isso é motivado principalmente pelo sistema judiciário que, por muitas vezes, protege um possível fraudador (se passando por vítima), o que acarreta em uma ação judicial contrária à seguradora por tê-lo acusado “injustamente” e negado seu sinistro.

Porém, o caminho ideal seria começar analisando as fraudes nos sinistros (59% das respostas), para aprimorar o conhecimento e,então, retroalimentar essa informação no processo para prevenir a entrada de fraudadores.  Estudos similares, realizados em 2014 em países mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, mostraram que 71% das seguradoras já possuem sistemas avançados de prevenção a fraudes em sinistros e, agora,elas começam a migrar para a prevenção de fraudes na subscrição (33%).

“A tecnologia desempenha um papel muito importante na prevenção às fraudes, porém a adoção de estratégias sistêmicas isoladas não apresenta um desempenho satisfatório. A combinação de técnicas se faz necessária para conseguir combater as fraudes oportunistas e as premeditadas, pois conforme avaliado, os padrões comportamentais dos fraudadores começam a mudar. A seguradora tem que rapidamente se adaptar para manter os casos de fraude sob controle”, afirma Ricardo Saponara, especialista em prevenção a fraudes em seguradoras do SAS Brasil.

O clima econômico atual continua a pressionar as empresas a reduzirem seus gastos. Felizmente, as seguradoras têm reconhecido a importância de investir estratégias que geram impacto direto na lucratividade, somente 6% das empresas esperam diminuir seus orçamentos nesta iniciativa nos próximos 12 meses e quase um quinto das empresas esperam aumentar os investimentos em tecnologias que propiciem prevenções mais assertivas com ganhos diretos de produtividade.

Para conferir a pesquisa completa acesse: http://www.sas.com/pt_br/offers/16/pesquisa-sas-seguradoras.html
   
Sobre o SAS
O SAS é o líder de mercado em AnalyticsPor meio de soluções analíticas inovadoras, voltadas para a inteligência do negócio e gerenciamento de dados, a companhia ajuda seus clientes em mais de 75.000 localidades a tomarem decisões de forma rápida e assertiva. Desde 1976, o SAS fornece aos clientes ao redor do mundo THE POWER TO KNOW® (O Poder do Conhecimento). No Brasil desde 1996, a subsidiária brasileira conta com mais de 200 clientes, escritórios em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF), cerca de 180 colaboradores e atua em diferentes setores como finanças, telecomunicações, varejo, energia, governo, manufatura e educação. Confira o site: www.sas.com/br

Este texto foi originalmente publicado em www.papofacil.com.br/2019/06/359-sas.html

sexta-feira, 28 de junho de 2019

PAPOFÁCIL #358 Mambu provê SaaS para setor bancário e anuncia primeiro cliente no Brasil

Edgardo Torres, Diretor Geral Américas, fala da elaborada proposta da empresa que permite que fintechs ou grandes instituições criem soluções e novos produtos financeiros por meio do uso de soluções modulares na modalidade SaaS permitindo grande agilização no atendimento de seus clientes. Fala também da Acesso seu primeiro cliente e parceiro no Brasil.

Gravado dia 14/06/2019 

PAPOFÁCIL #358 Mambu provê SaaS para setor bancário e anuncia primeiro cliente no Brasil







Mambu anuncia seu primeiro cliente no Brasil: Acesso
Fintech brasileira líder em cartões internacionais pré-pagos faz parceria com a plataforma em formato SaaS da Mambu, para otimizar a experiência de seus clientes e ampliar sua oferta de produtos digitais


Mambu, o principal motor de SaaS do setor bancário, formalizou hoje sua entrada no mercado brasileiro com o anuncio do seu primeiro cliente local: a Acesso -  a principal empresa nacional de emissão, processamento e gestão de cartões pré-pagos internacionais. O propósito é promover seu portfólio de serviços no Brasil.

Com oito anos no mercado e mais de 980 mil clientes ativos no ultimo ano, a Acesso contribui com a transformação do mercado financeiro e impulsiona a gestão monetária por meio de serviços financeiros. Desta forma, favorece os serviços bancários e ajuda a mudar a relação que as pessoas possuem com o próprio dinheiro.

Davi Holanda, CEO da Acesso, ressalta que a aliança tem como objetivo incrementar a carteira de clientes e garantir uma experiência única com o banco digital. “Na Acesso vivemos o desafio de democratizar a maneira que o brasileiro se relaciona com os serviços bancários e meios de pagamentos. A tecnologia de Mambu nos permitirá oferecer a melhor e mais moderna experiência financeira digital para nossos usuários, disponibilizando um produto ainda mais completo e garantindo o crescimento da Acesso no universo dos serviços financeiros digitais”, comentou o executivo.

Quando uma empresa líder como Acesso nos confia suas operações, o compromisso é ainda maior. A resposta de nossos clientes na América Latina tem sido positiva e portfólio de Mambu tem crescido junto de nossos clientes. Apoiamos a inovação e expansão de Acesso no mundo financeiro digital, com um modelo flexível, habilitado para “API first” e completamente na nativo para a nuvem, que lhes permitirá uma implementação ágil focando a atenção ao usuário, mantendo uma proposta de serviço de ponta”, indicou Edgardo Torres-Caballero, Diretor Geral de Mambu nas Américas.

Segundo o estudo “O brasileiro e sua relação com o dinheiro” realizado pelo Banco Central em 2018, o volume de transações comerciais em cartões de débito e crédito chegou a 45%, com uma tendência de crescimento para os próximos anos.

“Isso é uma grande oportunidade para Acesso. Eles poderão crescer rapidamente em um mercado de extrema relevância na região. Nossa experiência global em mais de 170 clientes em 55 países será útil nessa aliança, para juntos expandiremos seus serviços financeiros e digitalizaremos as transações diárias do consumidor brasileiro, tornando o acesso ao dinheiro e serviços financeiros mais inclusivo”, complementa Edgardo


Sobre Acesso
Fundada em 2010, a Acesso é uma empresa brasileira líder em serviços financeiros, emissão, processamento e gestão de cartões pré-pagos. Listada como uma das 10 maiores fintechs da América Latina em 2017, a empresa está rodando com um ritmo anualizado de 1.8 bilhões, com crescimento ajustado de mais de 70% sobre ano anterior. Como foco na desburocratização dos serviços financeiros, o cartão pré-pago da Acesso, permite realizar todos os serviços e compras que exigem um cartão de crédito como forma de pagamento, mas sem as taxas abusivas ou faturas no fim do mês. Mais informações em: https://www.meuacesso.com.br/

Acerca de Mambu
Mambu é o principal motor SaaS no setor bancário que oferece serviços financeiros digitais modernos. É a alternativa ágil aos complexos sistemas bancários principais, uma solução de nuvem nativa que gera arquiteturas abertas habilitadas para API. A Mambu ajuda os clientes a iniciar com sucesso novos negócios, transformar as operações existentes, lançar novos produtos e se expandir para novos mercados. A empresa oferece às instituições financeiras de todos os portes a agilidade para projetar, lançar, atender e dimensionar rapidamente suas carteiras de bancos e empréstimos. Fundada em 2011, Mambu opera mais de 5,000 serviços de empréstimos e depósitos que são utilizados por mais de 3 milhões de consumidores. Também ajuda a industria financeira a evoluir e prosperar na era digital, já contando com mais de 180 instalações em 45 países. Para mais informações visite nossa página www.mambu.com ou acesse nossa conta no twitter, LinkedIn e Facebook.


este texto foi originalmente publicado em www.papofacil.com.br/2019/06/358-mambu.html

quarta-feira, 26 de junho de 2019

PAPOFÁCIL #357 Unisys Security Index™ 2019 Preocupações de segurança no Brasil

Fabio Abatepaulo, Diretor de Transformação Digital, comenta os resultados da pesquisa cujo foco é a percepção da segurança entre os usuários finais perante suas experiências no mundo digital que descobriu que 85% dos brasileiros já foram vítimas de ataques cibernéticos e que o índice de preocupação dos brasileiros cresceu cinco pontos no Brasil desde 2018, chegando a 190, e é o mais alto dos últimos seis anos.

Gravado dia 18/06/2019 

PAPOFÁCIL #357 Unisys Security Index™ 2019 Preocupações de segurança no Brasil






85% dos brasileiros já foram vítimas de ataques cibernéticos segundo pesquisa Unisys Security Index™ 2019


Estudo inédito da Unisys indica que o índice de preocupação dos brasileiros cresceu cinco pontos no Brasil desde 2018, chegando a 190, e é o mais alto dos últimos seis anos

A Unisys anuncia os resultados da 14ª edição do Unisys Security Index™, estudo global que mede anualmente as percepções dos consumidores com segurança, em quatro categorias: segurança nacional, financeira, na internet e pessoal. A pesquisa revela que uma alta porcentagem dos brasileiros (85%) já foi vítima, ou conhece alguém que tenha passado por pelo menos um tipo de fraude cibernética.
  

Entre as respostas, o recebimento de e-mails não solicitados (spam) ou com golpes (phishing) foram os mais citados (54% e 42%, respectivamente) pelos brasileiros. Na sequência, fraude com cartão bancário (39%), mensagens falsas no WhatsApp (36%) e roubo de identidade (19%) aparecem com as maiores incidências.

Esse alto número de ocorrências se reflete na preocupação dos brasileiros com roubo de identidade e fraudes bancárias, com 76% e 75% dos entrevistados apontando estar muito ou extremamente preocupados com esses temas, respectivamente. A maioria dos participantes também relatou séria preocupação com ataques de hackers e vírus cibernéticos (69%) e com a segurança das compras online (65%).
  


Outros destaques dos resultados no Brasil incluem a percepção dos respondentes sobre estratégias de governo digital para proteção de dados pessoais, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e criação do Documento Nacional de Identidade (DNI). Segundo o estudo:

  • 59% dos brasileiros estão apenas um pouco confiantes de que a LGPD vai garantir a segurança de seus dados mantidos por empresas e governos;
  • 69% deles acreditam que ter um registro de identificação unificado (DNI) melhoraria a segurança dos dados pessoais.
"O Unisys Security Index de 2019 mostra que a sensação de insegurança está aumentando no Brasil dentro das quatro áreas de análise da pesquisa. Notoriamente, os níveis de preocupação com ameaças online são os mais altos e acompanham o grande número de vítimas de ataques cibernéticos nos últimos anos. Esses resultados enfatizam que a proteção de dados ainda não é uma questão estabelecida no Brasil e que precisa ser repensada por governos, empresas e consumidores", comenta Eduardo Almeida, presidente da Unisys para América Latina.
  

O Unisys Security Index™ 2019 entrevistou mais de 13 mil consumidores em 13 países, incluindo mais de mil respondentes no Brasil, entre fevereiro e abril de 2019. A Unisys avaliou suas atitudes em uma ampla gama de questões relacionadas à segurança e criou um índice calculado de zero a 300, no qual 300 representa a preocupação mais alta. O Brasil atingiu 190 pontos nessa escala e está em no sexto lugar no ranking global:

Sobre o Unisys Security Index™
Iniciativa da Unisys Corporation (NYSE: UIS), o Unisys Security Index™ é o mais antigo monitoramento global de segurança digital. Realizado desde 2007, o levantamento oferece uma análise estatisticamente robusta sobre a percepção de segurança dos consumidores. Projetado numa escala que vai de zero a 300 (sendo o zero mais seguro e 300, menos), o índice é calculado a partir de uma metodologia que afere atitudes de pessoas ao longo de um dado período de tempo em relação a oito temas de segurança, divididos em quatro categorias: Segurança Nacional também relacionado a desastres ou epidemias; Segurança Financeira, que aborda temas como fraude bancária e obrigações fiscais; Segurança da Internet, que inclui vírus e ataques de hackers e transações online; e, por fim, Segurança Pessoal, com temas como roubo de identidade e outros. O Unisys Security Index™ de 2019 foi compilado a partir de entrevistas online realizadas entre 27 de fevereiro e 22 de março deste ano, aplicadas junto a grupos amostrais representativos com o mínimo 1.000 indivíduos dos seguintes países: Austrália, Bélgica, Brasil, Chile, Colômbia, Alemanha, Malásia, México, Holanda, Nova Zelândia, Filipinas, Reino Unido e Estados Unidos. A margem de erro em cada país é de 3,1% para mais ou para menos. A margem de erro nos resultados globais é de 0,9%, para mais ou para menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Sobre a Unisys
A Unisys é uma empresa global de tecnologia da informação que desenvolve ao redor do mundo soluções de alto desempenho e segurança para empresas e governos cada vez mais exigentes. As ofertas da Unisys incluem softwares e serviços de segurança; serviços de transformação digital e suporte; aplicações e serviços para a indústria; além de ambientes inovadores de operação de software para computação empresarial de alta intensidade. Para mais informações sobre como a Unisys entrega melhores resultados de forma segura para seus clientes das áreas de governo, serviços financeiros e mercados comerciais, acesse www.unisys.com.br

este texto foi originalmente publicado em www.papofacil.com.br/2019/06/357-unisys.html

terça-feira, 25 de junho de 2019

REVIEW: Samsung Galaxy S10 Plus – elevando o nível

Este será um texto de avaliação bastante diferente. O Samsung Galaxy S10 Plus é responsável por isso, pois suas características muito peculiares me obrigaram a mudar a forma de comunicar minha experiência com ele. Eu o utilizei por mais de cinco semanas de forma contínua tendo sido transformado completamente em meu smartphone único de uso pessoal a profissional. Após este tempo ele foi para um rigoroso conjunto de “testes de bancada”. Será que encontraria problemas? Foi difícil achar. Mas achei e vou comentar adiante.


figura 01 – Samsung S10 Plus

Outro fator que tornou este teste diferenciado é que por 80% do tempo eu tive comigo, simultaneamente, o Samsung S10 Plus e o também aclamado Huawei P30 Pro. Por isso foi muito interessante identificar virtudes e diferenças entre eles. No aspecto fotografia tive ambos nos meus bolsos em duas viagens e descobri que de forma intuitiva usava ora um, ora outro, cada um na sua área de excelência. Haverá citações dos dois smartphones em alguns momentos, embora a intenção dessa avaliação não seja fazer um comparativo entre eles.


O começo de tudo

As famílias Galaxy S e Note são as que concentram as maiores inovações, recursos e avanços tecnológicos. No caso da família S sou testemunha que desde o modelo S6 a Samsung galgou um patamar adicional em seus smartphones, seja na construção diferenciada, bordas curvas, processador com máximo desempenho à época e notadamente câmeras de muito alta qualidade. Assim permaneceu com S7, S8, S9 e não de forma diferente na família S10. Em algumas dessas sucessões as mudanças eram sutis. Poucas mudanças do S6 para S7 e do S8 para S9, mas a família S10 traz muitas novidades e avanços importantes.


figura 02 – últimos modelos da família S
Características e especificações

A Samsung não se dobrou à tendência de 2018, ainda continuada por alguns fabricantes em 2019, do entalhe na tela (também conhecido como notch). Nas fotos acima o que chama a atenção foi a quase que total eliminação de qualquer borda no S10 Plus, deixando o aparelho muito elegante e com grande área de visualização. Tanto que a tela cresceu de 6.2 polegadas para 6.4 polegadas (do S9 Plus para o S10 Plus), mas o aparelho não teve alteração nas suas dimensões.  Pelo contrário, teve pequena redução no comprimento e espessura e também no peso.

Isso é notável, pois a bateria, fator que acrescenta peso, cresceu 18% (3500 mAh para 4100 mAh). Ou seja, ele é menor, tela maior, mais bateria e mais leve, a ponto de ser perceptível já que ao manipulá-lo logo percebi sua pegada mais ergonômica e mais leve.

Segue abaixo um quadro com suas principais especificações. Comentarei a seguir.


figura 03 – especificações


Características importantes e diferenciais

Para começar, você já sabe que o S10 Plus é neste momento (junho de 2019) o mais avançado e mais sofisticado modelo disponível da Samsung e talvez de todo o mundo Android. Portanto você sabe que deve esperar excelência e sofisticação, que se reflete obviamente em seu preço maiúsculo. Pode ser achado no mercado hoje por preços à vista entre R$ 4.400 a R$ 5.500. Mas ele concentra muitas virtudes que podem justificar o preço (se forem de seu interesse).

Quais são essas características que o diferenciam? São várias. A tela dynamic AMOLED de 6.4 polegadas é sensacional. Brilho, contraste, personalidade nas cores exibidas, alta nitidez graças à resolução 1440x3040 pixels . Não há mais nada a falar dessa tela. Ponto final! É referência e modelo a ser seguido por outros fabricantes. Aproveito para comentar que seu concorrente Huawei P30 Pro tem uma tela também muito boa, ambos são para mim referência neste aspecto!!

O processador Exynos 9820, fabricado pela Samsung é bastante competente. A saber, nos USA o S10 Plus usa o Qualcomm SnapDragon 855. Discutir se um S10 Plus com o processador Exynos é melhor ou pior que a versão americana com o SnapDragon é como discutir se o carro mais empolgante é uma Ferrari ou uma Lamborghini. Entende? Ambos são “de tirar o fôlego” e terão desempenho final muito semelhante, a despeito de terem pequenas diferenças entre um e outro em alguns aspectos. Fato, a versão brasileira com o Exynos é extremamente veloz e responsiva. Nenhum aplicativo ou jogo fará o sistema prostrar-se genuflexo, muito pelo contrário. Ambos entregam desempenho extremamente alto!!


figura 04 – Exynos 9820 x Qualcomm SnapDragon 855 – equivalentes no dia a dia

Câmeras fotográficas e autonomia de bateria terão grande destaque em sessões seguintes neste texto, mas antecipo que as câmeras são fantásticas, como é tradição em toda a família S, desde o S6 , e a autonomia de bateria é boa, mas tem grande potencial para melhorar ainda mais (explicarei depois).

As gerações S8 e S9 o S10 Plus têm carregamento sem fio, e carregamento rápido (detalhes adiante). Além disso o S10 traz a funcionalidade de carregamento reverso. Ou seja, ele pode fornecer sua energia para outros dispositivos que também suportam carregamento sem fio, seja um S9, S8, Huawei P30 Pro, fone bluetooth Galaxy Buds, Samsung Smart Watch, etc. Como a sua autonomia de bateria AINDA NÃO É (explicarei adiante) seu maior atributo, vejo grande utilidade neste recurso para carga de assessórios como o fone bluetooth e smartwatch. Ele pode de fato ceder parte de sua energia apenas pelo contato para assessórios, como mostra a foto abaixo, mas para outro smartphone penso que só em caso de emergência.


figura 05 – Samsung S10 Plus – carregamento reverso

Tem memória interna (RAM)de 8 GB, generosa porção que faz seu comportamento ser exemplar no aspecto de agilidade e fluidez na utilização. O modelo que eu testei (igualzinho este da foto acima) tinha 128 GB de armazenamento interno, com capacidade de ampliação via cartão micro SD (mais 512 GB). Porém a Samsung tem modelos com 512 GB e até inacreditáveis 1 TB de armazenamento interno!! Meu uso é intenso, pesado, tenho mais de 150 aplicativos instalados, gravo vídeos amiúde e mesmo assim não cheguei perto de esgotar os 128 GB do meu exemplar.

Conta com proteção contra poeira e água nível IP68 que manterá o dispositivo 100% íntegro mesmo que ele seja submerso por até 30 minutos em uma profundidade de 1.5 metro. Assim, pegar uma chuva forte com ele ou mesmo entrar inadvertidamente em uma piscina com ele no bolso não trará danos. Mas não recomendo que faça este teste apenas por “diversão”. Confie no recurso e considere-o como um seguro, contando com ele apenas quando necessário.

Conta com o moderno Android 9.0 “Pie” e traz a interface atualizada da Samsung, nova na verdade, chamada de OneUI. Rápida, leve e de muito bom gosto. Isso diferencia os aparelhos da Samsung dos outros que usam o Android, com várias vantagens de ergonomia e organização. Exemplificando, na OneUI o visual é diferenciado e a função de usar aplicativos em tela dividida é mais versátil que no Android original. A contra partida é que as atualizações de versão do Android tendem a ser mais lentas.

No S8 e S9 havia o recurso de desbloqueio por leitura da íris. Eu particularmente não usava (causava-me certo incômodo). Mas so S10 Plus o leitor de impressão digital foi movido para baixo da tela usando tecnologia ultrassônica, muito segura!! Mas exige um tempo de adaptação até que se acostume com a posição correta do dedo na tela. O reconhecimento facial é muito ágil, também ótimo recurso. Para ter toda a tela disponível foi suprimido o led de notificações, algo que eu sempre gostei, mas é o preço a se pagar por ter aquela tela toda imensa à disposição. Ainda bem que a Samsung manteve o conector P2 para os fones de ouvido com fios que todos nós ainda temos!


figura 06 – Samsung S10 Plus – identificação biométrica sob a tela

Também destaco o DEX Mode, ou seja, basta conectar o S10 Plus a um monitor externo HDMI que o dispositivo se transforma em uma estação de trabalho similar a um computador de mesa, mas rodando os aplicativos Android. A saber, existem os mesmos programas do Office para Android (Word, Excel, PowerPoint). A suíte do Google também roda como se fosse em um PC. Existe a opção de usar mouse e teclado bluetooth ou usar a própria tela do S10 Plus como um touchpad e teclado.


figura 07 – Samsung S10 Plus usado no modo DEX

Ecossistema Samsung

Tive a oportunidade de usar simultaneamente diversos dispositivos da Samsung além do S10 Plus. Contei com Galaxy Buds, ótimo fone de ouvido bluetooth do tipo in-ear, o Galaxy Watch e o carregador rápido Wirelles Duo (aceita a carga de dois aparelhos simultaneamente). A integração é muito fácil e prática, assim que os dispositivos são ligados eles já são detectados pelo S10 Plus e a configuração é automática! Poder chegar em casa e apenas colocar na base de carregamento o S10 Plus e o Ear Bubs ou o Galaxy Watch para carregar é algo muito prático. Quanto ao tempo de carregamento, é mais longo (cerca de 46% mais demorado) do que o carregamento via USB, mas melhorou muito em relação a gerações anteriores. No caso do S8 Plus, com menos bateria demorava quase 5 horas, enquanto o S10 Plus tem o carregamento wireless mais rápido, perto de 3 horas (mesmo com maior capacidade de bateria).


figura 08 – Wirelless Charger Duo em ação – dois dispositivos

Falando das câmeras, foto e vídeo

Destaquei antes que para mim desde o S6, depois S7, S8 e S9 a Samsung chegou a um patamar que nenhum fabricante tinha alcançado. Outros fabricantes têm evoluído MUITO! Por isso a Samsung traz inovações a cada geração. Vejam o caso do concorrente (no quesito fotos), o P30 Pro, traz excelência em muitas áreas e ultrapassa o S10 Plus em um ou outro ponto.  O conjunto de câmeras é amplo e endereça muitas situações. Veja as fotos abaixo.


figura 09 – as câmeras do S10 Plus

O S9 Plus, bem como o Note 9 tinham duas câmeras traseiras contando com uma lente zoom 2x e a lente padrão. Já o S10 Plus acrescenta uma câmera ultra grande angular e dessa forma engloba as 3 possibilidades. Eu sempre gostei MUITO do zoom 2x, para aproximações do objeto, que uso para fotografar telas de projeção em seminários ou apresentações, bem como filmar entrevistas a certa distância com enquadramento fixo na pessoa com quem converso. Não posso esquecer que a câmera com lente “padrão” tem abertura focal variável, de f/1.5 a f/2.4 que de forma inteligente (ou manual em modo Pro) alterna a abertura de acordo com a necessidade para obter o melhor aproveitamento da luz na fotografia.

São duas as câmeras frontais. Na verdade, trata-se de UMA câmera e um sensor de profundidade para fazer fotos com efeito Bokeh (desfoque de fundo). É grande angular para que haja maior abrangência da captura das cenas e pessoas na hora de fazer uma selfie.  Não posso me esquecer da câmera traseira que filma em 4K (3840x2160) em 60 quadros por segundo!! Incrível. E agora não existe mais a limitação de filmar apenas 10 minutos na resolução 4K, seja 30 ou 60 quadros por segundo, dá para filmar direto!! Ainda bem!! Isso era muito chato no S8/S9/S9 Plus.

Já que há imensa excelência nas câmeras, vou começar pelos destaques negativos da câmera, que são poucos, mas existem.

- A câmera perdeu a opção de filmar na resolução 2K (2560x1440), isso era importante para mim, conseguia uma definição maior, sem que os arquivos ficassem tão grandes como 4K e  isso me permitia realizar cortes em FullHD (1920x1080) sem perda de qualidade.
- A câmera perdeu a opção de modo Pro (profissional) para filmagens, ou seja, ajustes manuais de brilho, foco, abertura, ISO, etc. não estão mais disponíveis, que impede alguém mais detalhista de controlar totalmente a filmagem.
- Em algumas situações o pós processamento exagera na saturação. São casos pouco frequentes. Veja foto abaixo. Essa flor não era assim na vida real, como se estivesse ligada na tomada!! Atenuando a saturação a foto fica mais natural. Mas será que o usuário comum terá essa iniciativa?


figura 10 – excesso de saturação um dos raros deslizes do S10 Plus

Agora vamos explorar as virtudes e flexibilidade das câmeras. Vamos aos fatos. Vou conduzir esta parte do texto mostrando muitas fotos fazendo considerações sobre elas.


figura 11 – câmeras traseiras do S10 Plus
 
Fotos em ambiente externo, são sempre as “mais fáceis” para obter bons resultados, pois há boa iluminação. Mas não é só isso. Para um resultado diferenciado precisa ter um ótimo balanço de branco, nitidez, alcance dinâmico, riqueza de cores... Para melhor entender isso vou mostrar algumas fotos abaixo. Destaco que o nível de qualidade é virtualmente o mesmo independentemente da lente utilizada, wide angle, normal ou  zoom!!
   

figura 12 – ambiente externo – câmera normal


figura 13 – ambiente externo – câmera grande angular

Vale aqui o destaque da nitidez, alcance dinâmico (áreas de sombra também bem representadas) e o equilíbrio das cores, muito parecidas nas duas fotos, a despeito das lentes diferentes usadas.


figura 14 – ambiente externo – câmera normal

Outro exemplo de alcance dinâmico (HDR) interessante, veja que em total contra luz ainda se vê a praia e o azul do céu.
    

figura 15 – foto tirada do mesmo lugar mas com a lente zoom 2x

As mesmas virtudes da foto anterior são encontradas na foto tirada com a lente telefoto, zoom de 2x.

Falando em alcance dinâmico, a foto abaixo é para mim um exemplo extremo, também sob forte contra luz há total definição dos elementos que estão suposta área de sombra. Além da beleza e grande equilíbrio de cores.


figura 16 – contra luz mostrando grande registro de cores nas sombras
 
Destaquei antes, há grande equilíbrio, paridade de fato, na qualidade e características das imagens a despeito da lente escolhida. A foto abaixo mostra isso de forma muito intensa, três imagens do mesmo local, mesma hora, apenas foi trocada a lente, aliás algo que se faz de forma muito intuitiva, pois há três pequenas figuras que representam cada lente, e que com mesma qualidade. Importante registrar que este equilíbrio entre as 3 lentes não tem a mesma intensidade no P30 Pro. A Samsung consegui uma grande homogeneidade entre as lentes!


figura 17 – 3 fotos, com as 3 lentes – ótima qualidade em todas
 
Não custa relembrar que quando se usa o zoom 2x, trata-se de uma nova lente, uma aproximação real e não uma aproximação digital na qual se perde qualidade.

Citei no começo da apresentação das câmeras um erro de saturação quando fotografei uma flor vermelha. Mas aquele erro foi uma exceção. Tiro muitas fotos de flores e todas elas ficaram ótimas, inclusive me encanta sobremaneira o nível de detalhes e nitidez das fotos.  A foto foi tirada a uma certa distância e mesmo assim há registro muito preciso dos detalhes!!


figura 18 – excelente nível de detalhes – foto e ampliação


figura 19 – mais uma flor com excelente nível de detalhes
 
Interessante destacar que o efeito de Bokeh obtido nessas últimas fotos foram desfoques óticos, ou seja, natural, não foi processamento de imagem. Qualquer câmera ou celular obtém este efeito quando se fotografa um objeto a partir de uma curta distância e no S10 Plus agrada-me a suavidade deste desfoque.

Já explorei bastante as fotos com câmera normal e grande angular, mas há outras duas fotos que ficaram muito boas mostrando essa diferença. Apenas mantive a cena à esquerda (a placa de rua), vejam quanto mais de cena se captura com a grande angular!! Um ótimo exemplo também de precisão no registro muito bonito das cores.




figura 20 e 21 – mesma cena, duas lentes, duas perspectivas
 
Mas em situação adversa de iluminação? Com o perdão do trocadilho, nesta condição o S10 Plus brilha. Vou mostrar alguns exemplos de fotos tiradas em ambiente interno, sem luz solar, algumas delas em local escuro de fato.

A próxima foto é de um prosaico pão na chapa, tirada dentro de uma padaria, longe de qualquer janela, apenas a iluminação artificial presente, e até fraca. Repare o nível de detalhes e a nitidez da foto. Quase que dá para sentir o cheiro do pão e da manteiga!!


figura 22 – tirada dentro de uma padaria, luz ambiente interna apenas – muitos detalhes

As duas próximas fotos são em ambientes ainda mais escuros. Repare que não há granulação (ruído) nas fotos!!


figura 23 – fotos tiradas em ambiente com baixa iluminação


A próxima foto é um caso extremo. Tirada em uma sala bastante escura. No lado esquerdo da foto há o registro feito por um aparelho Android intermediário de entrada. Pode ser visto facilmente que há perda e definição, registro impreciso de cores, granulação e ruído. Mas tem algo positivo, a cena que meus olhos viam naquele momento era parecida em termos de nível de luz com o que foi registrado (estava na verdade até um pouco mais escuro). No lado direito da foto é a que tirei com o S10 Plus!! Há cores bem definidas, baixíssima granulação, detalhes muito bem capturados. O S10 Plus foi achar muita luz sabe-se lá onde!! Na verdade eu sei, em sua lente de abertura f/1.5 e um competente pós-processamento.


figura 24 – fotos tiradas em ambiente com baixa iluminação

Tanto S10 Plus como Huawei P30 Pro têm um tal “modo noturno”, que é ainda mais poderoso na obtenção de luz em ambientes muito escuros. O P30 Pro, por usar um sensor que processa as cores de forma diferente é até mais impressionante tirando fotos realmente no escuro. Mas não recomendo muito o uso destes modos noturnos, a não ser em caso de extrema necessidade. As fotos ficam com aparência artificial devido a pesado pós processamento. Muito bom o S10 Plus também ter esta funcionalidade, mas prefira abrir uma janela ou acender a luz do ambiente, muito melhor que tirar foto no escuro!! Foto é luz!!

E as câmeras frontais?  Como falei, na verdade uma câmera só, pois uma delas é um sensor de profundidade para auxiliar a fazer o efeito de desfoque nas selfies. Repare na foto abaixo que as câmeras frontais ficam quase que escondidas na tela. É um orifício bem pequeno que acomoda as duas câmeras usando uma tecnologia muito sofisticada para fazer o recorte no vidro. No começo estranhei um pouco aquele “objeto” ali no canto, mas considero infinitamente melhor que o entalhe/notch. Depois de um tempo meu cérebro se acostumou e nem mais notava aquela pequena falha na tela.

figura 25 – câmeras frontais

Mostro agora algumas poucas selfies capturadas. A primeira delas tirada na horizontal, em um dia bem escuro, chovendo, mas destaco o ângulo da imagem, foi muito fácil enquadrar duas pessoas, caberia até mais. A segunda foto é composta por duas fotos lado a lado e mostra selfies obtidas em ambiente muito bem iluminado, trazendo ótimas cores e alcance dinâmico!


figura 26 – selfie em dupla, dia escuro


figura 27 – duas selfies, ambiente muito bem iluminado, ótimas cores e contraste

Finalizando minhas considerações sobre as câmeras, destaco que todas as fotos mostradas aqui nesse texto foram todas tiradas no modo automático, ou seja, o S10 Plus decidindo o que era melhor para mim. Em outras fotos (não mostradas aqui), eu me vali de ajuste fino da luminosidade (usando ainda modo automático) e umas poucas usando o modo Pro, no qual se tem controle sobre todos os parâmetros da fotografia.

Ainda quero ressaltar algumas funcionalidade muito legais das câmeras. Há um assistente para enquadramento, ou seja, por meio de um “alvo” ele sugere alterações do que deveria estar no centro da foto. Também pode ser usado o “nível”, para que a foto não fique com o horizonte torto e também após uma foto ser tirada ele alerta caso a foto tenha ficado embaçada ou se alguém saiu de olhos fechados!! São ajudas muito simples, mas muito importantes para que qualquer pessoa, até EU, possa conseguir tirar boas fotos com o S10 Plus.


figura 28 – por do sol contra a luz – talento puro do S10 Plus

Analisando a fundo a autonomia e tempo de Carga da Bateria

Vai ser uma discussão longa. Você me acompanha?? Aperfeiçoei uma metodologia para estes testes que por ser consistentemente reprodutível tem se mostrado eficaz, usando sempre os mesmos princípios. Isso me permite comparar com precisão diferentes dispositivos. Há também alguns testes de situações isoladas para dar uma visão de cenários específicos.

Contrariando todos os preceitos jornalísticos vou direto ao ponto! Vou de imediato mostrar todos os resultados individuais de vários testes com o S10 Plus e sua autonomia de bateria!! A tabela abaixo resume tudo, ou quase tudo. Autonomia de 16 horas e 10 minutos (mais detalhes adiante). Isso é bom o bastante para você!?

Resumo dos dados aferidos com a bateria e carregamento

Figura 29 - Resumo dos dados aferidos com a bateria

Se você tem curiosidade de entender cada um destes números da tabela acima eu o convido para uma longa jornada nos parágrafos abaixo nos quais cada um deles é discutido e explicado. Há pontos muito interessantes!!

Detalhando (bastante) o teste com a bateria (explicando a tabela acima)

Fundamento meu teste em algumas situações distintas. Eu as utilizo também para referência e comparação com outros smartphones.

Standby com tela apagada: aparelho ligado, mas sem usá-lo de forma alguma, porém recebendo mensagens, e-mails, conectado à rede 3G/4G ou WiFI. Nesta situação o S10 Plus permaneceu 160 horas até esgotar sua bateria, quase 7 dias!! É um bom resultado, mas poderia ser melhor. Já testei smartphone que ficou 11 dias nessa situação.

Standby com tela sempre ligada: aparelho ligado, tela SEMPRE ligada com 60-65% de brilho (que julgo ser o nível mais comum), sem usá-lo de forma alguma, porém recebendo mensagens, e-mails, conectado à rede 3G/4G ou WiFI. Nesta situação permaneceu 16 horas até esgotar sua bateria. Detalhando um pouco mais o teste de standby. Veja a figura abaixo:



figura 30 – tabela com dados de descarga de bateria em standby e tela ligada
 
Podemos ver na tabela de dados e no gráfico foram 16h07 min de autonomia nessa situação, e com comportamento uniforme, que é importante.

Youtube/Netflix: o terceiro cenário é de uso contínuo de Youtube. Um mesmo vídeo sendo reproduzido ininterruptamente, tela sempre ligada, nível de brilho em de 60-65%. Nesta função o S10 Plus permaneceu ativo por 10 horas e 55 minutos até esgotar sua bateria. Convém notar que em relação ao tempo de standby a diferença é grande (um pouco menos de 5 horas). Também a testei função análoga no NETFLIX. Nesta condição o S10 Plus permaneceu 12 horas e 1 minuto em operação (maratona de série), um pouco mais de uma hora a mais que a autonomia usando Youtube. Diferenças estas associadas ao consumo de cada aplicativo neste dispositivo.

Gravação de vídeo: O quarto cenário é da função de filmagem em diversas resoluções desde HD (1280x720) 30 fps até 4K (3840x2160) a 60 fps, tela sempre ligada, imagem sendo continuamente capturada e gravada. Descobri ser este o PIOR desempenho do S10 Plus, pois ele segura a gravação de vídeo em média por apenas 3 horas e 54 minutos. É importante o usuário saber que se gravar com o S10 Plus um vídeo de 1 hora, isso levará consigo em média cerca de 26% de sua bateria.  A saber, em HD seriam 4.7 horas e em 4K 60 fps seriam 3 horas.

Waze: O quinto cenário é do uso contínuo do aplicativo de navegação por GPS e identificação dos melhores caminhos. Era até então este aplicativo o maior triturador de baterias que havia para qualquer smartphone, só superado pela gravação de vídeo. O S10 Plus consegue manter o Waze funcionando de forma ininterrupta em média por 7 horas e 40 minutos consumindo cada 1% da carga em 4m38seg. “Em média” porque o ritmo de consumo da bateria nesta situação depende do trajeto, da temperatura, se há incidência de sol no smartphone, etc. Capturei os dados de 13 viagens que mostro no gráfico abaixo. É um excelente desempenho nestas condições!

 
figura 31 – autonomia da bateria usando o aplicativo Waze

Carga da bateria:  o S10 Plus tem um bom ritmo de carga, mas não excelente. O P30 Pro realiza a carga de sua bateria na metade do tempo. Usando o seu próprio carregador USB de 15 Watts ele adquire 100% em aproximadamente 2 horas e 11 minutos, em média ganhando 1% de carga a cada 2m19seg.

Recebi junto com o S10 Plus um carregador Wireless Duo (carrega dois dispositivos) do tipo rápido. Nesta condição ele adquire 100% em aproximadamente 3 horas e 12 minutos, em média ganhando 1% de carga a cada 3m11seg. Todos estes testes foram feitos com o aparelho LIGADO mas sem o utilizar e tela sempre apagada, apenas um aparelho sendo carregado sem fio.  Dados capturados pelo aplicativo Battery Log. Embora demore quase 50% a mais do que o carregador USB, há uma notável evolução já que em gerações anteriores uma carga completa demoraria mais de 5 horas.


figura 32  carregamento da bateria de várias formas


figura 32b  carregador Samsung Wirelles Duo
 
Uso real
: o teste mais realista é mesmo o “uso natural” do smartphone, no qual por 25 dias aferi o consumo adotando o aparelho como meu único dispositivo, todos meus aplicativos, redes sociais, quatro contas de Email, WhatsApp, Instagram, fotos, vídeos, Waze, etc. Há uma boa variabilidade na autonomia. Nestes dias testados, obtive por 3 vezes quase 19 horas de uso contínuo e no pior caso 13 horas, média de 16.1 horas. Eu faço testes de smartphones há um bom tempo e meu padrão de uso não tem mudado e por isso é para mim referencial para comparações.


figura 33 – Autonomia da bateria dia a dia
 
A tabela abaixo contém o “diário de bordo” do meu teste. Podemos identificar de forma aproximada porque certos dias o consumo foi maior ou menor.


figura 34 – diário de bordo do teste - regime “natural” (clique para ampliar)
 
É importante destacar que estas 16.1 horas de autonomia média reflete o MEU PADRÃO de uso que com certeza não é igual ao do leitor. Posso ser mais comedido ou posso ter um modelo de uso mais intenso. Por isso é importante mostrar a tabela acima. Ela ilustra o que eu fiz a cada dia com o smartphone. Dias com maior consumo foram os que tiveram maior percentual de uso de TELA, Waze, fotos, chamadas de voz, etc.
    
Explicando a forma de coleta de dados que utilizo, a cada dia registrava a hora que começava o uso, a partir de 100% de carga. No final do dia aferia o percentual usado e pelo tempo decorrido podia inferir o tempo total que teria durado a bateria naquele dia. O próprio Android mostra o tempo de uso dos aplicativos mais usados. Comecei a usar um aplicativo chamado ActionDash para me ajudar com isso também neste teste.

Apresento agora um gráfico comparativo da autonomia da bateria correlacionando com o tempo de uso de tela (em percentagem) e com o tempo de uso de Waze (também em percentagem). Claro que há outros fatores importantes. Vimos que gravar vídeo consome muita bateria, mas usar a tela acesa (email, whataspp, facebook, navegação web, etc.) e Waze (GPS) são muito frequentes no dia a dia. Fica evidente a relação dos números. O dia de pior autonomia foi o 7º dia no qual eu usei o Waze 17% do tempo (123 minutos) e também a tela ligada por 58% do tempo (7h6min). Isso pode ser visto no gráfico abaixo.


figura 35 – análise comparativa autonomia x waze x tela (clique para ampliar)

Uma métrica muito importante é a apuração do “tempo de tela, ou seja, quanto tempo se consegue de fato estar usando o aparelho, com tela ligada, realmente fazendo alguma coisa (qualquer atividade). Ao longo dos 25 dias testados obtive em média 5.4 horas de uso de tela, sendo que em um dos dias (#22) se usasse até acabar a bateria teria obtido consegui mais de 8 horas de tela. Por outro lado, meu pior desempenho foram 3.9 horas (#17).


figura 36 – análise do tempo de tela máximo a cada dia

Mas olhando novamente com calma o gráfico de autonomia dia a dia podemos perceber algumas anomalias comportamentais. Veja abaixo:


figura 37 – Autonomia da bateria dia a dia – destaque para os dias “anormais”
 
Entre os dias #5 e #7 houve uma variação muito grande de 6 horas aproximadamente. O mesmo aconteceu entre os dias #22 e #24. Em nenhum dos testes que eu já fiz aconteceram variações tão bruscas assim. O que se lê pelos fóruns na Internet é que foi descoberto que o processador Exynos vez por outra entra em um estado no qual ele não consegue acionar o modo “deep sleep”, ou seja, quando o aparelho não está em uso ele permanece usando mais energia do que ele precisaria. Isso faz sentido, pois alguns dias o consumo foi bastante alto mesmo sem ter havido grande atividade (fora o #7 que teve muito uso do Waze). Por isso quando a Samsung conseguir endereçar este problema (imagino que seja solucionável por software), o S10 Plus tem um ótimo potencial para entregar ainda mais autonomia de bateria, já que conta com ótimos 4100 mAh de capacidade em suas células.

Algumas comparações interessantes
   

Como eu faço testes de smartphones há um bom tempo tenho dados compilados de outras avaliações que já fiz. Assim consigo colocar lado a lado os principais modelos das linhas de topo da Samsung. Isso está na tabela/gráfico abaixo. Como meu padrão de uso não mudou muito, posso comparar cada um deles.


figura 38 – comparação da autonomia entre vários membros da família S e Note da Samsung

O S10 Plus está quase no topo, só abaixo do Note 8 e possivelmente do Note 9 (que tem maior bateria mas que não testei). Isso reforça o bom resultado do teste, mas pela sua capacidade de bateria (em mAh – 4100 mAh), tem potencial para ser um pouco melhor.

Verdade seja dita, as versões mais antigas como S6, S7, ou mesmo S8 rodavam versões anteriores de inúmeros aplicativos, em tempos de Internet um pouco mais lenta e isso pode ter afetado esta comparação, ou seja, os aparelhos mais modernos têm que lidar com cargas de trabalho mais pesadas e  por isso 16.1 horas para o S10 Plus podem ser mais difíceis de obter que a mesma autonomia de um S7, por exemplo.

O P30 Pro tem maior autonomia de bateria. Ainda não tenho o número final pois não concluí o teste. Mas claramente é um aparelho que classifico como “top 18”, ou seja, que tem em média mais de 18 horas de autonomia por dia e que na minha classificação torna-se excelente neste critério. Esta qualidade permite que alguém saia de casa às 06:00 e chegue à meia noite com a bateria acabando. Você pode dizer que ninguém precisa de tanta autonomia assim, mas tendo essa folga (18 horas) dá para administrar as variações do dia a dia com folga. O S10 Plus ainda não está no clube “top 18”, mas como falei tem potencial para isso, falta um pequeno ajuste.

Conclusão
   

Tradicionalmente o lançamento de nova geração da família S da Samsung é muito esperada, pois a empresa tem um imenso desafio que é manter-se no topo entre os dispositivos Android. Em algumas ocasiões como a transição do S6 para o S7 ou do S8 para o S9 as alterações foram pequenas, mas sempre trazendo importantes inovações.

Mas o S10 Plus veio com grandes mudanças. Traz uma tela maior e muito boa, usando tecnologia Dynamic AMOLED, mais leve, maior bateria, processador mais rápido, câmeras em maior quantidade e qualidade, carregamento sem fio reverso, nova interface OneUI, ampla área de memória interna (8 GB) e externa (128 GB neste modelos mas tem versões de 512 e 1024 GB) e ainda mais. E  manteve o glorioso conector P2 que vem sendo indevidamente retirado por aí!! Ótimo!

Porém um bom smartphone não é feito apenas com especificações exuberantes. A totalidade de recursos precisa ser harmoniosa e muito bem entrosados. Mesmo havendo smartphones concorrentes que superam o S10 Plus em um ou outro ponto específico, a grande virtude é seu desempenho de conjunto. Na minha visão e conhecimento atual do mercado nenhum outro entrega tanta robustez, coerência e desempenho.

É perfeito? Não é. Jamais dispositivo algum será! Sempre haverá algum ponto que incomodará alguém, em menor ou maior grau. Não gravar vídeos em modo Pro, não ter a resolução 2K (2560x144) também nos vídeos, uma ou outra rara foto com excesso de saturação, e a bateria que é boa, mas pode ser melhor.  Foi o que eu encontrei de defeitos. mas tive que pesquisar bastante! Outras pessoas podem não se importar com isso, mas podem ter outras observações.

Ao trazer todas as informações sobre a autonomia de bateria realizei que o S10 Plus tem o segundo melhor desempenho entre dispositivos da família nos últimos anos. Mas está claro que há um ponto para aprimoramento que pode torná-lo ainda melhor o alcance de sua bateria!! Seria muito interessante se em alguns meses eu tivesse novamente uma unidade do S10 Plus para conferir essa provável correção e evolução! Quero fazer isso!!

A qualidade está em nível muito elevado e seu preço reflete essa sofisticação com valores no mercado entre R$ 4.400 e R$ 5.500 na versão com 128 GB e preços maiores para unidades com 512 GB e 1 TB. Disponível nas cores branco (o que eu testei), preto, azul e ceramic black.


figura 39 – cores disponíveis para o S10 Plus


figura 40 – S10 Plus


figura 41  – foto extra


figura 42  – foto extra


figura 43  – foto extra