segunda-feira, 30 de maio de 2011

AMD Llano & Abu Dhabi Yas Marina – dicas e curiosidades

Este texto era para ser 100% sobre informática. Afinal fui convidado pela AMD para participar do LLANO Tech Day Preview em meados de maio de 2011. O evento aconteceu na cidade de Abu Dhabi, lugar exótico que por si só merece ser descrito. O evento foi fantástico, superou e muito minhas expectativas. Cerca de 50 jornalistas do mundo foram convidados. Eram vários orientais e europeus, poucos americanos e apenas 2 latino americanos, um chileno e o eu mesmo representando o site FORUMPCs.




Para quem não sabe o LLANO é o nome de código do primeiro processador da AMD fruto da iniciativa FUSION. É um conceito inovador que até justifica o novo nome usado pela AMD que o denomina APU (Accelerated Processing Unit). Os avanços e características do LLANO infelizmente estão embargados até dia 18 de junho. Assim só poderei entrar no máximo detalhe do LLANO APU a partir desta data. Mas não há de ser nada, até lá vou aproveitar esta coluna para falar de Abu Dhabi e uma de minha imensas paixões que é a Fórmula 1. Afinal o evento e o hotel que ficamos hospedados era dentro do circuito Yas Marina onde ocorre a conhecida corrida. 

Imagine que você como eu é um grande fã de Fórmula 1 e resolveu assistira a próxima corrida que acontecerá em 13 de novembro. Ou em qualquer outro ano como 2012. Há muitas informações que quero dividir com os leitores no sentido de ajudar nesta aventura ou apenas satisfazer à curiosidade que todos nós temos.


A cidade de Abu Dhabi


É uma das incríveis cidades dos Emirados Árabes Unidos. Também são muito conhecidas Dubai e Jeddah. É a terra dos sheiks e cada um deles toma conta de “sua cidade”. Abu Dhabi, capital dos Emirados é incrustrada no deserto, às margens do Golfo Pérsico, entre Arábia Saudita e Oman. É um local de grandes contrastes. A areia seca e calcinante de um lado, o mar do outro. A cidade tem prédios modernos, de estilos bem arrojados e ao mesmo tempo construções de estilo “tradicional” da cultura árabe, mesquitas, mercados antigos, etc.



Localização de Abu Dhabi


Vista panorâmica de parte da cidade – moderna e vistosa



A cidade é visita obrigatória para o fã de fórmula 1. Afinal conhecer e quem sabe negociar no mercado de tapetes persas é uma experiência única e inesquecível! As mesquitas que existem na cidade são maravilhosas. A Mesquita Sheik Zayed a mais incrível e imponente que se pode ver (é a segunda maior mesquita do mundo). Uma característica a destacar é que a cidade está em grande crescimento. Há obras em todos os cantos. Novos prédios altos, vistosos e de grande estilo por todos os lugares. 



Mercado de tapetes persas


A incrível Mesquita do Sheik Zayed


A cultura local

Por se tratar de um país árabe é tudo muito diferente para nós brasileiros. A começar pelo idioma, o qual não fui capaz de entender uma só palavra. Tanto na fala como na escrita!! É uma sensação horrível sentir-se analfabeto total. Mas há um consolo!! Estive em alguns lugares da cidade e em todos eles consegui falar em inglês com as pessoas. Algumas delas tinham um sotaque fortíssimo, mas dá para manter comunicação e conversa. Mesmo em um shopping center quando fui tentar almoçar em uma lanchonete  a jovem atendente falou inglês comigo.

Uma parte das mulheres veste a BURKA que é aquela túnica toda preta. Diria que cerca de um terço das mulheres se vestem assim. Os homens por sua vez vestem túnica branca com turbante na cabeça e chinelos, cerca de metade dos homens. Uma minoria das mulheres usa a burka completa, aquela que apenas deixa os olhos para fora. Assim dá para perceber que os Emirados Árabes Unidos é mais “liberal” com os costumes que outros países árabes. Mas mesmo assim dei um “fora”. Em um shopping center eu fotografei uma excursão de estudantes com sua professora que vestia burka completa. Mesmo estando a 50 metros dela e usando zoom de minha máquina fotográfica, fui admoestado por um guarda local dizendo que as pessoas não gostam de serem fotografadas. Portanto NÃO FAÇA ISSO, ainda mais a curta distância!


Escolares com suas professoras trajando burka completa (só olhos de fora)


Ainda sobre a vestimenta, perguntei porque as mulheres se vestem de preto e os homens de branco. Obtive respostas confusas, mas uma delas me chamou a atenção. Como o país é muito quente (em maio fazia ao menos 40C todos os dias), a roupa branca dos homens é para evitar o calor enquanto a roupa preta das mulheres é para “estimulá-las” a ficar em casa, pois sair naquele sol e com aquele calor com a roupa preta é uma tortura!! Incrível!

Cuidado com o dinheiro!!

A moeda local é o DIRHAM. Com um REAL podem ser comprados 2,3 Dirhams. Os preços relativos de mercadorias e serviços não são muito diferentes dos preços praticados no Brasil. Não achei particularmente caras as coisas, mas isso se deve ao momento que vivemos no qual o REAL está bem valorizado. Um dólar custa nesta época (maio de 2011) cerca de R$ 1,60.

Para dar uma ideia o lanche “Número 1” do Mac Donnalds custava DHS 16, ou seja, cerca de R$ 7, neste caso até mais barato que no Brasil. Aliás, eu me baseio no preço do lanche “número 1” do Mac Donnalds como referência para apurar custos relativos entre diferentes países, tem sido um bom balizador.

Quando chamei esta parte do texto de “cuidado com o dinheiro” não me referia a furtos, roubos, etc. Não. Afinal o crime é punido de forma exemplar no país. No passado cortava-se a mão dos infratores... Meu alerta é sobre USO DE CARTÃO DE CRÉDITO!! Quase não consegui usar meu cartão. Somente para despesas extras no hotel internacional (Yas Hotel). Ao contratar o tour que fiz pela cidade, mesmo no saguão do hotel não aceitaram cartão. Tive que mandar debitar na conta do hotel e pagar 5% a mais pelo “serviço”. Na cidade, tentei comprar um lanche no Mac Donnalds e na hora de pagar a simpática mocinha exclamou “ONLY CASH SIR”. Isso se repetiu várias vezes. Assim fica a dica, quem chegar ao país troque alguns Dirhams para não ficar sem consegui almoçar como aconteceu comigo. Consegui usar cartão em um STARBUCKS no Shopping, mas após muito procura e somente lá.


Mac Donnalds em Abu Dahbi – lanche número 1 por DHS 16

Aproveitando que citei o tal shopping center, havia lá dentro um quiosque que já efetuava vendas de ingressos para o GP de Abu Dhabi em novembro próximo. Não resisti e fotografei, discretamente e disfarçadamente (para não ser admoestado pelo segurança) para mostrar para os leitores.


Quiosque de venda de ingressos para a corrida

A comida é deliciosa. Toda aquela culinária árabe que conhecemos no Brasil está presente, mas o sabor é mais delicado e extremamente apetitoso. Há também diversos pratos que não conhecia, todos muito bons. Adoro doces e provei diversas sobremesas feitas de massa folhada com diversos recheios deliciosos. Mas o que mais gostei foi um creme de pistache que nunca mais me esquecerei em minha vida.

Cuidado com a rede elétrica!

É essencial para nós ao viajarmos levarmos nossos apetrechos eletrônicos. Carregador de telefone celular, notebook, MP3, carregador de bateria de câmera fotográfica, etc. Mas tome muito cuidado para não “ficar a pé” ao viajar para Abu Dhabi. O tipo de tomada usada no país é absolutamente diferente do tipo de tomada que existe no Brasil ou mesmo nos Estado Unidos. Um viajante desavisado com certeza se verá em maus lençóis, sem conseguir usar seus aparelhos se não levar um adaptador de tomada universal. Vejam abaixo nas fotos.


Tomada tripla padrão dos Emirados Árabes Unidos – bem diferente

Este tipo estranho de tomada também é usada em alguns países da Europa. Na Inglaterra, por exemplo, existem tomadas assim também. Já em Portugal, por exemplo, as tomada são redondas e compatíveis com as brasileiras. Eu ganhara há alguns anos de presente um adaptador de tomadas universal que achei ser uma engenhoca inútil. Ledo engano. Ele que me salvou nesta viagem.


Adaptador de tomada universal – diversos padrões.

Assim usando este adaptador mais um “benjamim de tomada” fui salvo, pois pude ligar todos os meus dispositivos para serem recarregados sem problema.


O Circuito de Yas Marina

Tive a felicidade de ficar hospedado no Yas Hotel, que é o hotel construído dentro do autódromo. Aqueles que já viram o grande prêmio pela TV vão logo reconhece-lo, pois sua arquitetura é ímpar. Já impressiona o fato de ter sido construída uma ilha artificial para conter todo o complexo (autódromo, hotéis e outras atrações). Na verdade era uma ilha bem menor que foi ampliada artificialmente. Isso é comum na região uma vez que em Dubai (cerca de 130 Km dali) há a famosa ilha em forma de palmeira e outras que receberam estruturas impressionantes.


Como se vê a pista passa por baixo do hotel, sob um pequeno corredor suspenso que liga os dois grandes prédios arredondados que formam o Hotel. Este é sem dúvida o melhor lugar para se hospedar para ver o grande prêmio. Mas na época da corrida o valor da hospedagem é caríssima. É onde ficam pilotos, chefes de equipe e endinheirados turistas que reservaram sua estadia com mais de um ano de antecedência. É tão prático que basta cruzar uma ponte sobre a pista que se tem acesso ao centro de impressa, ao padock e aos boxes do autódromo e diversas áreas de arquibancadas cobertas por um teto que relembra as tendas dos beduínos do deserto.


Pórtico de entrada do autódromo

De imediato algo que chamou demais minha atenção foi a extrema limpeza da pista. Impecável!! Não há uma irregularidade, um único pedaço de papel e o asfalto parece tão novo e limpo que com algum exagero poderia dizer que daria para comer sobre pista, de tão limpa!!


Diagrama da pista

Na figura acima podemos ver o circuito. Na parte superior, onde ficam os barcos (Marina) é onde também se localiza o Yas Hotel e o pequeno túnel citado. A pista em si tem características polêmicas. Com exceção de uma ou duas curvas de maior velocidade e algumas “retas tortas”, a pista tem muita reta-chicane. Há quem compare seu traçado as pistas de rua. É de criação de Hermann Tilke, o badalado arquiteto de autódromos endeusado pela FIA nos últimos anos. Comenta-se que os pilotos não morrem de amores pelo traçado pela grande quantidade de curvas de 90 graus e  retas-chicanes. Mas a categoria Moto GP vai realizar corridas neste autódromo e isso vai requerer algumas mudanças que infelizmente não sei precisar. Mas tornará a pista um pouco diferente.

Há fora do complexo do autódromo uma “praça de hotéis”, que fica perto o suficiente para ter acesso a pé ao evento. São hotéis diversos como Crowne Plazza, Park Inn, Radisson, etc. de preços mais acessíveis e ainda bem perto do “show”.

Sou suspeito para falar, pois a experiência de conhecer ao vivo uma pista assim tão sofisticada, em um local tão exótico fez com que me apaixonasse pelo circuito. Aliás, o grande prêmio de Abu Dhabi tem algo de especial. É o único que começa de dia e termina de noite.  Uma conveniente forma de diferenciá-lo das demais corridas e ajustar seu horário aos gostos do espectador europeu.


Vista do Yas Hotel e parte da pista iluminada

Tive a oportunidade de conferir a iluminação da pista. Fabulosa!! Há postes com luzes a cada 10 ou 15 metros extremamente potentes. De noite a pista ficava acesa pois há atividades diversas no autódromo como passeios, test-drive e até aulas de pilotagem (adiante falarei mais a respeito). Cada poste de luz é composto de 5 fileiras de luminárias que totalizam 26 lâmpadas. Nestes dias que observei a pista de noite apenas a fileira superior de cada poste estava ligada!! E já parecia mais que suficiente para uma corrida. Imaginem com todos os refletores ligados ao mesmo tempo!!! Dessa forma observei a pista com apenas 25% da capacidade de iluminação. Incrível!! Com tudo ligado a noite certamente vai virar dia.


Um dos pontos de iluminação – 26 refletores de alta potência

Falando em atividades noturnas, caso alguém visite o local, não cometam o erro que cometi. Quis passear na pista, caminhar ou correr. Mas o atendente do hotel disse que não podia. Fiquei desapontado, fazer o quê... Mas um belo dia vi pessoas andando de bicicleta e correndo (a pé) na pista. Descobri então que todas 3ª feiras a pista é aberta gratuitamente para visitação e como um local de laser. Já não dava mais tempo para eu ir correr, pois a pista abre das 18:00 às 20:00. Mas os leitores aqui se visitarem o local poderão fazer o que eu quis, mas não consegui, traído pela informação imprecisa do concierge do hotel.



Passeio noturno na pista – corrida, caminhada e bicicleta

Andando na pista afinal!

Tendo perdido a oportunidade de andar na pista eu tinha que descobrir uma forma de resgatar este prazer, para mim uma real necessidade! Aconteceu naturalmente. Eu estava lá a convite da AMD (fabricante de microprocessadores) para um evento que aconteceu no Media Center (Centro de Imprensa do autódromo). Aliás, impressionante como tudo que vi por ali. Cheguei quase uma hora mais cedo meio, já com planos “malignos”. Do centro de imprensa caminhei até o paddock (fundo dos boxes). Lá descobri um portão destrancado e... Dúvida cruel, entrava ou não entrava? Claro que entrei, não havia ninguém por perto. E já que estava aberto...

Foi alegria pura. Eu me vi nos boxes do autódromo. Minha máquina fotográfica a mil!! Foram mais de 100 fotos só nestes 60 minutos que fiquei explorando a parte mais nobre da pista, reta de largada, boxes, etc. Seguem algumas dessas fotos com comentários.


Boxes com a torre de cronometragem ao fundo


Final do grid de largada e arquibancadas




Podium

Na sequência apresentarei 3 fotos que merecem explicação prévia. Quando estamos no local alguns detalhes que passam despercebidos na TV afloram aos nossos olhos. A primeira foto da sequencia abaixo é o pórtico da linha de chegada/largada com o sinal luminoso para a largada e um monitor que indica, por exemplo, corrida interrompida, safety car, etc. A segunda foto é a cabine na qual provavelmente fica o Charles Whiting para comandar a largada do grande prêmio. Na terceira foto eu me encontro dentro da cabine de largada com todos os comandos à mão. Tive que exercer uma força sobre humana para não apertar nenhum daqueles comandos, posso garantir!!


Pórtico de largada




Acesso ao comando de largada na reta




Painel de controle de largada

Minha vontade era mostrar muitas as dezenas de fotos que tirei deste local outros pontos do autódromo, etc. E seriam mais fotos não fosse um guarda que em certo momento me viu no literalmente meio da pista e me convidou educadamente a sair e me perguntando como tinha ido parar lá. Ele disse que não era permitido. Isso eu imaginava, mas não tinha como não por meus pés ali.


Reta de largada – visão mais ampla




Umas das curvas 90 graus da pista (área de escape e soft-wall ao fundo) 




Localizando-me nos bastidores do Yas Marina Circuit




Fundos dos boxes/paddock com vista para a Marina

Mas ver tudo isso sem carros na pista seria muito “vazio”. Mas eis que surgem certo dia carros diversos no circuito. Não sei precisar ao certo que tipo de monoposto era, mas eram bem rápidos. Determinados dias da semana há no circuito o “Track Day”, uma atividade (paga e disponível para quem quiser) para experimentar a pista em carros diversos. Há inclusive um F1 de dois lugares para passeios, estes carros que vi andando que pareciam F3, e até um carro de F1 que parece sem um modelo 2008. Caso alguém saiba precisar que carros são estes será uma informação extremamente bem vinda.


Track-Day – carros na pista para degustação!!




Carro do Track Day em datalhe




F1 2008??? Quem souber favor me ajudar!!

Quando acabou a aventura de pista dirigi-me ao Media Center, pois afinal estava ali para trabalhar, participar do evento da AMD e não tietar o autódromo. Mas outra surpresa  estava a me aguardar. Todas as paredes do centro de imprensa (todas mesmo) tinham uma decoração estranha. Pareciam muitas e muitas letras. Chegando um pouco mais perto percebi do que se tratava. Vejam a foto abaixo com atenção.


São nomes de pilotos de F1 de todos os tempos. Todos mesmo!! No pedaço que fotografei acima (uma das várias fotos de todas as paredes) há nomes como Jan Lamers, Bernd Schneider, Johnny Herbert, Emanuele Pirro, Martin Donneley, Jean Alesi, Rene Arnoux... Mas havia todos os nomes como Ayrton Senna, Nelson Angelo Piquet, Rubens Barrichello, Emerson Fittipaldi, Louis Hamilton, Sebatian Vettel, Alain Prost, Jim Clark, Clay Regazzoni, Alberto Ascari, ... Enfim todos os protagonistas da F1 desde seu começo até hoje!! Confesso que esta descoberta causou-me admiração e emoção, pois é um reconhecimento ao talento de todos que passaram por este apaixonante esporte!

Ferrari World

Uma das atrações que também ficam na ilha Yas é o Ferrari World. Trata-se de um parque temático sobre a Ferrari. Afinal o automóvel Ferrari é objeto de desejo e orgulho dos Sheiks da região que possuem suas coleções privadas de Ferraris.


O parque é feito em uma estrutura metálica impressionante. Não somente pelo tamanho, cerca de 400 a 500 metros de comprimento de área interna, mas também pelo fato de ser uma imensa área fechada toda climatizada. Seria impossível frequentar um parque como estes em um local onde 40C de temperatura é comum (às vezes bem mais quente que isso).


Entrada do Ferrari World

Vale a pena visitar, sem dúvida alguma, principalmente quem é amante de automobilismo. Além de aventuras e brinquedos radicais, há atrações que resgatam a história da Ferrari de maneira muito bem feita e carregada de emoção. Por exemplo, descobri que nas 24 horas de Daytona em 1967 os três primeiros colocados foram 3 Ferraris 330P4 que chegaram emparelhadas disputando a primeira colocação, um chegada histórica!

Mas para quem gosta de emoções fortes, deve experimentar a FORMULA ROSSA, a montanha russa mais rápida do mundo.


Formula Rossa – a montanha russa mais rápida do mundo

Ela foi construída na parte externa do parque visando proporcionar ao visitante a experiência de acelerar uma Ferrari de fórmula 1. Na foto acima podemos ver a reta inicial onde o carro com seus ocupantes acelera de 0 a 240 Km/h em 5 segundos!! É impressionante. Apesar de não ser muito fã de montanhas russas, claro que experimentei pois como diz o ditado seria como ter ido Roma e não visitar o Vaticano para ver o Papa!! Quando a velocidade absurda é atingida vem a subida íngreme. Mas pela velocidade o carro chega ainda muito rápido no topo para despencar e acelerar novamente. Com esta velocidade ao começar a descida tem-se a impressão de que vai ser lançado ao ar, com total sensação de falta de peso. É para quem gosta de emoções fortes e é um passeio e tanto!!


Dá para ver como fiquei cheio de adrenalina após o passeio!!

Mas voltando aos fatos históricos, é riquíssimo o acervo do Ferrari World. Há carros de fórmula 1 em todos os cantos e das mais diferentes épocas. Há uma galeria linda que tem vários carros históricos, alguns de F1, Ferraris de rua, como por exemplo as míticas Dino, F50, Enzo, etc.


Galeria de carros históricos


É bom chegar perto assim de uma dessas jóias

Um dos carros que encontrei chamou muito minha atenção. Foi a Ferrari usada por Gerhard Berger em 1989. Não que os carros atuais sejam feios, muito pelo contrário. Mas aquela Ferrari com “bico de tucano”, projetada pelo gênio Sul Africano John Barnard (o Adrian Newey de sua época), se não me engano também foi usada por Mansell e Prost é para mim linda demais!!


Ferrari F640 – dirigida pelo Berger em 1989

Nesta mesma galeria havia uma placa citando as grandes conquistas da Ferrari, as vitórias consideradas épicas desde 1947 até 2009, ano de inauguração do parque temático. Inclui as conquistas de 24 horas de Le Mans, 12 horas de Sebring, pilotos campeões de F1, campeonatos de construtores de F1 entre outras tão importantes como a tradicional e histórica Mille Miglia. Vejam o quadro na foto abaixo.


Grandes conquistas da Ferrari

Para quem gosta de emoções fortes, montanhas russas à parte (além da Formula Rossa e a Fiorano) há alguns simuladores sensacionais no parque. Um deles, o mais perfeito conta com uma estrutura hidráulica-mecânica impressionante que reproduz muito de perto as forças exercidas por F1 de verdade, em tamanho natural.. Convém ressaltar que para usar estes simuladores há um valor a ser pago à parte e deve ser marcada hora. Assim logo ao chegar ao parque recomenda-se que se corra lá no final onde ficam estas atrações, compre seu ingresso e marque sua hora senão corre o risco de ficar sem esta experiência.


Incrível simulador em tamanho real

Há um segundo simulador quase tão perfeito quanto este mostrado acima, um pouco menor, mas com um diferencial muito interessante. São 8 simuladores lado a lado que reproduzem uma corrida na pista de Yas Marina entre estes 8 participantes. Pode ser uma corrida de F1 ou com uma Ferrari 599 GTB Fiorano. Sensacional!! E mais interessante é que cada um dos carros é “pilotado/personalizado” por um grande piloto que passou pela Ferrari:

- Schumacher
- Raikkonen
- Massa
- Prost
- Alesi
- Mansell
- Alonso
- Barichello


Se bater uma fome durante a visita há vários restaurantes temáticos como o “Ristorante Cavallino” ou o interessante “Il PODIO” que retrata diversos pilotos da Ferrari em sua entrada. Também há interessantes modelos de engenharia como um túnel de vento que pode ser manipulado pelo visitante e uma visita por dentro de um motor Ferrari V12!!


Entrada do Ristorante Il PODIO

Para finalizar este extenso artigo quero compartilhar uma das mais bonitas imagens captadas no Ferrari World. É a foto de uma Ferrari de fórmula 1 da década de 1950. Percebe-se seu estilo inconfundível, sua cor marcante e também seu motor dianteiro (comum à época). Estava logo na entrada do parque acima da mais recente Ferrari de rua. Não sei precisar o ano deste carro. Mas não importa! Agindo da mesma forma que o brilhante locutor, comentarista e mais um fanático por corridas, Edgard Mello Filho, como citou no delicioso podcast semanal (duas vezes por semana) do site AUTORACING chamado Loucos por Automobilismo, esta é para mim a Ferrari do Juan Manuel Fangio!! E não se fala mais nisso!! Espero que tenham apreciado como eu apreciei esta experiência e que eu tenha conseguido retratar boa parte de minha satisfação e emoção nesta incursão a Abu Dhabi e ilha Yas.



Ferrari de F1 da década de 50

Após dia 18 de junho voltarei ao assunto desta vez falando com muito mais detalhes do AMD LLANO e escrevendo desta vez um texto 100% sobre informática!!



Outros artigos que escrevi sobre AMD, VAIO, FUSION ou VISION:

SONY série Y com AMD FUSION chega ao mercado
AMD Llano & Abu Dhabi Yas Marina – dicas e curiosidades
AMD LLANO Tech Day – parte 2 por dentro da APU Llano
AMD LLANO Tech Day – parte 3 – O desempenho da APU
AMD LLANO Tech Day – parte 4 – O TESTE REAL e completo
SONY VAIO VPC EE47FB – Poderoso e Multimídia - Avaliação Resumida
SONY VAIO VPC EE47FB – Poderoso e Multimídia - Avaliação Completa







9 comentários:

  1. Ahhhh que invejaaaa :D rs...

    Ótimas fotos Flávio, com certeza o lugar é exuberante com toda a arquitetura e tecnologia.

    Até de gostaria de tecnologia/internet já era macaco velho em curti F1, esse lugar é show! Pena que o traçado da pista não tem o mesmo brilho do entorno :/.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Felipe, adorei o local!! A pista é maravilhosa e como disse no texto o traçado tem restrições por alguns dos pilotos. Mas será alterada por conta da moto GP. Mas o lugar, a cultura, a paisagem o exotismo foi demais!! E a experiência de escrever o texto foi uma delícia, foi como estar contando a história para um amigo em um bate papo!!

    ResponderExcluir
  3. Flávio...

    Sabe um garotinho quando ganha seu primeiro altorama????
    É exatamente isso que senti em você... Homem menino, com grande sabedoria detalhou cada momento vivido.
    Me senti conhecedora do autódromo de Dubai...

    Senti uma ponta de inveja (positiva, é claro) qdo lhe vi ao lado da Ferrari e da montanha russa, tenho loucura pelas duas coisas.
    Realmente foi uma viagem de negócios com sabor de felicidade. Você merece.
    Parabéns pela quantidade e qualidade do blog.
    Gostei muito...
    Ah!!! Se for outra vez, me carregue em sua mala. A viagem será mais divertida...

    Beijos no coração...

    Marli Gomes

    ResponderExcluir
  4. Correção:

    Como fui uma garotinha que adorava bonecas, acho que errei na palavra "AUTORAMA"... e não "altorama"... (Apenas corrigindo)

    Não entendo nada de Software ... Mas seus comentários merecem Nota 1000...

    Beijos ...

    ResponderExcluir
  5. Excelente post! Certamente vou reservar uma grana e passar umas férias por lá pra conhecer o Ferrari World! Apenas alguns toques: a citada Ferrari do Berger é a belíssima Ferrari 412T2 utilizada no campeonato de 1995. Foi a última Ferrari de F-1 com motor V12, e na minha modesta opinião, a mais bela Ferrari de F-1 já produzida. O F-1 que andou no track-day me parece ser uma Bennetton de 2001. Os outros carros não são F-3, parecem ser F-BMW ou F-Renault. Até!

    ResponderExcluir
  6. Marli super obrigado por seus comentários tão gentis. Foi mesmo uma experiência ímpar que espero um dia poder repetir.

    ResponderExcluir
  7. Oi Rafael muito obrigado!!!!
    E que bom que você descobriu a Ferrari, a tal 412T2. Eu achei que era de 89 porque lembro-me do Beger correndo na Ferrari este ano antes dele vir correr com o Senna. E que máquina!! V12 e com aquele perfil...
    E você é fera mesmo, descobriu os outros carros, super obrigado por seu comentário e valorosa ajuda!!

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente PIREI na matéria, é como se eu estivesse lá, muito loco Xandó!
    Aprendí mais essa agora "Admoestado" rsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal Anderson!!! O texto já tem ano e meio, mas resolvi divulgar de novo por causa da prova de F2 e porque continua atual. Foi uma experiência muuuuito legal!!

      Sobre o admoestado, eu me senti como o Piropo, pois sempre aprendo palavras novas nos textos dele e agora foi você quem viu uma nova.

      Grande abraço!!

      Excluir